ANA - Notícias dos Aeroportos

Aeroportos em Portugal

Notícias sobre os aeroportos portugueses e outras estruturas operadas pela Vinci. Informação disponibilizada pela ANA


  1. No passado dia 6 de dezembro, a ANA - Aeroportos de Portugal |VINCI Airports deram mais um passo importante na concretização do plano de reflorestação da VINCI Airports em Portugal ao estabelecer um protocolo com o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e a QUERCUS – Conservação da Natureza para a plantação de 2500 árvores no Perímetro Florestal de Conceição de Tavira em 2021. Esta ação contou com as presenças do Presidente da CCDR Algarve, José Apolinário, da Vereadora do Ambiente da Câmara Municipal de Tavira, Sónia Pires, do Diretor Regional do ICNF, Castelão Rodrigues e do presidente da Comissão Executiva da ANA, Thierry Ligonnière. Participaram, também, as equipas do Aeroporto de Faro e alunos do concelho de Tavira. O programa de reflorestação da VINCI Airports consiste em agir localmente, através da plantação ou regeneração de áreas florestais nas zonas de influência dos seus aeroportos. Como parceiro a longo-prazo das regiões em que está inserida, a VINCI Airports trabalha continuamente com as comunidades locais e entidades ligadas à conservação da natureza para que obtenham um impacto positivo no desenvolvimento económico local. A VINCI Airports está assim a promover em Portugal o programa de reflorestação iniciado em França, numa ação nos arredores do aeroporto de Lyon. Este programa, em Portugal, denominado Juntos, plantamos o futuro, teve início em novembro, com uma ação perto do aeroporto do Porto Santo, na Madeira. A ANA-VINCI Airports dá, assim, continuidade ao programa com este novo projeto na região do aeroporto de Faro. Este projeto de adensamento florestal, de uma área recentemente ardida no perímetro florestal de Conceição de Tavira, contribui para o combate aos efeitos dos incêndios florestais em Portugal e promove a biodiversidade em linha com a estratégia de descarbonização da ANA. À presente iniciativa estará associado um valor de sequestro estimado de 2 633 tCO2eq a 30 anos. A ação consiste na plantação de espécies definidas pelo ICNF, designadamente Sobreiros (2000), Alfarrobeiras (200), Azinheiras (100), Ciprestes (100) e Zambujeiros (100). A respetiva manutenção será assegurada pelo ICNF / Quercus, no âmbito do protocolo estabelecido com a ANA. Thierry Ligonnière, presidente da Comissão Executiva da ANA - Aeroportos de Portugal, salientou a importância desta ação: "É com muita satisfação que juntamos o nosso contributo para a reflorestação de uma área recentemente ardida, no Perímetro Florestal de Conceição de Tavira que terá um impacte direto e relevante na região do Algarve. Dando seguimento à estratégia de apoio à florestação que iniciamos no mês passado no Porto Santo, esta iniciativa ambiental, contribui para o compromisso da VINCI Airports, promovendo uma mobilidade positiva".
  2. Esta sexta-feira, 12 de novembro, a ANA - Aeroportos de Portugal | VINCI Airports e o Governo Regional da Madeira formalizaram o protocolo para a plantação de árvores na Ilha do Porto Santo, com a visita aos terrenos concedidos pelo IFCN - Instituto da Floresta e da Conservação da Natureza para a plantação de quinhentas árvores, em 2021. Esta ação contou com a presença do presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, da Secretária Regional do Ambiente, Susana Prada, do presidente do Conselho de Administração da ANA, José Luis Arnaut e do presidente da Comissão Executiva da ANA, Thierry Ligonnière. As iniciativas de reflorestação fazem parte das prioridades e compromissos da VINCI Airports para alcançar a neutralidade carbónica da sua rede de aeroportos europeus até 2050. A ANA | VINCI Airports apoia o projeto do Governo Regional da Madeira para a Reflorestação da Ilha do Porto Santo. Um projeto que promove a biodiversidade e a melhoria da gestão dos recursos hídricos na ilha e irá igualmente potenciar a compensação local das emissões de carbono residuais do aeroporto, num valor de sequestro estimado de 3040 TCO2. Estima-se que este valor irá compensar a totalidade das emissões de carbono do aeroporto do Porto Santo, contribuindo ainda para a compensação de mais de metade das emissões associadas ao aeroporto da Madeira. Durante os próximos 5 anos, será assegurada a manutenção da área florestada, à qual será acrescentada a plantação anual de mais 100 árvores, num total de 1000 árvores plantadas até 2026. A ação assentará na plantação de espécies endémicas da Madeira, designadamente a faia das ilhas (Myrica faya) e o barbusano (Apollonias barbujana). A ANA | VINCI assume, através da operação e investimento no aeroporto do Porto Santo, um papel relevante na atividade económica e no desenvolvimento sustentado da ilha e com esta iniciativa - Juntos, plantamos o futuro -, a ANA| VINCI contribui para os trabalhos de reflorestação iniciados há mais de um século na ilha, em alinhamento com a estratégia para a Neutralidade de Carbono e os objetivos e metas estabelecidos para a proteção da biodiversidade. Thierry Ligonnière, presidente da Comissão Executiva da ANA - Aeroportos de Portugal, salientou a importância desta ação que "terá um impacto direto importante no futuro. Todas as iniciativas ambientais são relevantes, mas no caso específico desta ilha, a reflorestação é urgente e fundamental para obter recursos tão críticos como a água. É com grande entusiasmo que iniciamos as ações de reflorestação no Porto Santo, assumindo com iniciativas concretas o compromisso do grupo VINCI para a descarbonização, promovendo uma mobilidade positiva".  A ilha do Porto Santo foi eleita em 2020 como Reserva da Biosfera e a intenção é torná-la numa Ilha Verde, livre de emissões de gases com efeito de estufa. A reflorestação da ilha, formalmente iniciada há cem anos, continua a ser um objetivo muito relevante para o Governo Regional da Madeira.    
  3. • Aposta em tecnologia “sem contacto” em prol da melhoria da experiência do passageiro • ANA / VINCI promove a "Mobilidade Positiva" durante o evento, destacando o seu compromisso para a aviação sustentável • Espaço dedicado para acreditação de participantes regressa ao Aeroporto de Lisboa   Após um ano em formato virtual, o aeroporto de Lisboa acolhe mais uma vez a maioria dos participantes esperados na Web Summit 2021 entre 1 e 4 de novembro. A Web Summit é o maior evento de referência mundial centrado no empreendedorismo, tecnologia e inovação e o Aeroporto de Lisboa a sua primeira porta de entrada. No contexto da inovação, os participantes poderão encontrar várias novidades, já que o Aeroporto de Lisboa acaba de lançar o Biometric Experience, um projeto-piloto que proporcionará a passageiros para destinos dentro e fora da EU, a oportunidade de testar uma nova viagem sem contacto dentro do terminal. Após o registo, os passageiros procedem à leitura biométrica, e na porta de embarque utilizam apenas o reconhecimento biométrico facial, sem necessidade de apresentarem novamente o seu cartão de embarque e passaporte/documento de identificação. O novo processo traz mais-valias a vários níveis, uma vez que melhora a flexibilidade operacional nos voos Schengen e Não-Schengen, aumentando a capacidade operacional e ao mesmo tempo o passageiro ganha mais tempo e comodidade. A " Biometric Experience" baseia-se na experiência que a VINCI Airports já tinha adquirido no tema da mobilidade do futuro quando lançou em 2020, o primeiro assistente de viagens biométrico do mundo no aeroporto de Lyon-Saint Exupéry. Desde a última edição da Web Summit, os Aeroportos ANA/VINCI têm vindo a desenvolver soluções inovadoras que irão contribuir para a experiência positiva dos passageiros, como: - Melhoria da informação aos passageiros com o lançamento de um serviço de atualização automática disponível em WhatsApp, Facebook e website. Os passageiros podem verificar a porta de embarque, a hora a que se inicia o embarque ou os restaurantes que estão abertos através do novo chatbot do site da ANA, assim como obter rapidamente informação sobre o aeroporto - acessibilidade, restrições ou regras operacionais. -  Criação da nova plataforma digital - U-monitor - que regista o feedback dos passageiros em tempo real através de QR-code. O passageiro pode agora reportar eventuais anomalias que encontrar durante a sua passagem pelo aeroporto em tempo real – e o serviço foi recentemente ampliado em diversas áreas do terminal, incluindo parques de estacionamento e salas de embarque de modo a incluir todo o percurso do passageiro. - Aposta em sistemas avançado de desinfeção com recurso a tecnologia UV no rastreio de segurança, para os tabuleiros e objetos que passam no sistema de raios X. - Implementação de um sistema dinâmico para registar as emissões de carbono das aeronaves no solo com base no tempo de taxiing e no tipo de motor, entre outras variáveis. Este projeto tem sido desenvolvido de forma colaborativa entre aeroporto e companhias aéreas, que através de uma monitorização mais eficaz levará a uma significativa redução das emissões de carbono. Em relação à área da Sustentabilidade, outro tema em destaque na Web Summit, a VINCI Airports apresenta a campanha "Mobilidade Positiva" destacando algumas das suas principais iniciativas nesta área. Os aeroportos ANA/VINCI estão acreditados no programa de certificação voluntária de carbono da ACI - Europa: Acreditação de Carbono de Aeroportos (ACA). Atualmente todos os aeroportos portugueses estão no nível 2 da ACA "redução" e irá apresentar a candidatura ainda este ano nível 4, o nível mais elevado desta acreditação. O Aeroporto de Lisboa conseguiu entre 2018 e 2019 uma redução das suas emissões de carbono de cerca de 25%. Para esta redução tão significativa contribuíram diversas iniciativas, entre as quais a substituição da iluminação convencional por LED, a instalação de 96 postos de carregamento para veículos elétricos (passageiros e staff) e a renovação, em curso, da frota da empresa para veículos elétricos. O investimento efetuado e a estratégia desenvolvida em prol da modernização dos processos e na melhoria contínua da nova experiência do passageiro pós-pandemia levaram a ANA-VINCI a receber várias certificações e prémios, sendo a mais recente esta semana com a atribuição de “Highly Commended” aos Aeroportos de Lisboa e do Porto na 17ª edição dos Prémios da ACI (Airports Council International). Segundo o Diretor de Inovação, Aaron Beeson: “Estamos muito satisfeitos por voltar a acolher o nosso parceiro Web Summit em Lisboa e por podermos explorar as tendências e tecnologias emergentes que estão a moldar a nossa sociedade e o próprio ambiente aeroportuário. Aguardamos com expectativa receber todos os participantes inovadores e trocar ideias e soluções para melhorar os nossos aeroportos! “ Como empresa parceira da Web Summit 2021, a ANA- VINCI preparou um espaço dedicado para a acreditação para os participantes da Conferência na área de chegadas do Aeroporto de Lisboa. Este espaço, com 30 balcões de atendimento, irá abrir no dia 30 de outubro, das 06h30 às 23h00 e até às 15h00 do dia 2 de novembro.
  4. • O tráfego de passageiros continuou a recuperar no terceiro trimestre de 2021 • O tráfego voltou aos níveis pré-crise em alguns países (Costa Rica e República Dominicana • A recuperação na Europa continental (França, Portugal) é encorajadora, na sequência da flexibilização das restrições de viagem e introdução do Certificado Covid da UE • Outros mercados foram ainda sobrecarregados por restrições persistentes (algumas dos quais estão a ser facilitadas) ou pela pausa prolongada em voos internacionais de longo curso Cerca de 30 milhões de passageiros viajaram através da rede VINCI Airports no terceiro trimestre de 2021, ou seja, o dobro (98% mais) do que no periodo homólogo de 2020. Em comparação com o terceiro trimestre de 2019, o número de passageiros diminuiu 59%. A recuperação do tráfego no verão de 2021 confirmou que a tendência é o regresso aos níveis pré-crise. Os números subiram acentuadamente em França, Portugal, Sérvia, Irlanda do Norte, Brasil e Chile e voltaram mesmo aos níveis de 2019 na Costa Rica e na República Dominicana. O facto de a pandemia estar sob controlo na maioria dos países e a introdução do Certificado Covid da UE levou a várias decisões de reabertura parcial de fronteiras. Ilustrando esta tendência ascendente no tráfego internacional, o tráfego doméstico representava a esmagadora maioria do tráfego na rede VINCI Airports em 2020, mas voltou ao nível habitual (28%) este mês de setembro. No entanto, o tráfego internacional ainda não atingiu todo o seu potencial, uma vez que muitos países continuam a aplicar restrições parciais ou totais aos viajantes que entram no país. É o caso do Camboja, Japão e Reino Unido, todos eles continuaram a aplicar regras rigorosas. A tendência estabilizou em setembro, em comparação com julho e agosto, mas espera-se que volte a subir uma vez que as restrições sejam mais flexibilizadas. O ressurgimento da pandemia em alguns países e um abrandamento das viagens de negócios e de seniores, fez com que o tráfego em setembro estabilizasse ou caísse em alguns aeroportos, enquanto a recuperação continuava noutros. Posto isto, a esperada flexibilização de várias medidas de retenção do tráfego internacional (no Chile, no Reino Unido e no Japão) e o recentemente anunciado plano para reiniciar os voos transatlânticos de e para os Estados Unidos em 1 de novembro, deverá impulsionar a recuperação nos próximos meses. Nas secções abaixo, salvo indicação em contrário, as alterações dos níveis de tráfego em 2021, comparam com os do mesmo período em 2019.   Em Portugal, o número de passageiros praticamente duplicou neste verão em comparação com o verão passado. Desceram 46% em relação ao verão de 2019. O tráfego no Porto em agosto foi bastante dinâmico (-35%), com algumas rotas a atingirem ou ultrapassarem os níveis de 2019 (Zurique +16%, Luxemburgo +6%, Madeira +32%). O tráfego no Aeroporto do Funchal (Madeira) está quase de volta ao nível de 2019 (5% menos em agosto). A tendência abrandou em setembro, mas a decisão de abrir as fronteiras a turistas do Brasil em 1 de setembro e de flexibilizar as restrições ao tráfego transatlântico de e para os Estados Unidos deve estimular a procura de voos este Inverno.   No Reino Unido, o tráfego continuou severamente dificultado pelas medidas asfixiantes do tráfego internacional que o governo britânico continuou a impor ao longo do verão. O número de passageiros em Londres Gatwick era mais elevado do que no verão de 2020, mas ainda significativamente abaixo do verão de 2019. Devido à ausência de restrições nas viagens domésticas, o tráfego do Aeroporto Internacional de Belfast aumentou mais significativamente. Voos de e para grandes cidades britânicas como Londres (Gatwick, 14% abaixo), Liverpool (11% abaixo) e Manchester (16% abaixo) deu um contributo particularmente substancial. A procura de viagens aéreas poderá recuperar assim que as regras relativas a viagens internacionais sejam simplificadas em 4 de outubro e logo que os voos transatlânticos de e para os Estados Unidos possam recomeçar. A JetBlue, uma companhia aérea, teve o seu voo inaugural entre Gatwick e Aeroporto John F. Kennedy, em Nova Iorque, a 30 de setembro. Fornecerá, por agora quatro serviços por semana e depois voos diários a partir de novembro.   Em França, a época estival foi marcada essencialmente por voos para destinos turísticos. Em Nantes, o número de passageiros ultrapassou os níveis de 2019 em algumas rotas domésticas, incluindo Nice (+29%), Ajaccio (+49%) e Bastia (+29%) e algumas internacionais, como Barcelona (+13%) e Palma (+12%). O Aeroporto de Toulon Hyères beneficiou do adiamento de alguns voos internacionais até agosto: os voos de e para Orly e Charles de Gaulle em Paris voltaram ao nível de 2019 e o tráfego de e para outros destinos aumentou consideravelmente (Brest aumentou 35%, Nantes 3,5 vezes mais alto, Ajaccio 12%, Bastia 39%). O tráfego no aeroporto de Lyon-Saint Exupéry também cresceu significativamente ao longo do terceiro trimestre de 2021. Algumas rotas domésticas como as de e para a Córsega (com Ajaccio a subir 17% e Bastia a subir 28%) e outras rotas de e para o sul da Europa (com Porto a descer 19% e Palma a subir 22%) contribuiu substancialmente. A tendência abrandou no final do trimestre, à medida que o número de viajantes de negócios e seniores diminuía.   Na Sérvia, o número de passageiros triplicou em relação ao verão de 2020. Em julho e agosto, a procura de voos foi impulsionada por destinos turísticos na Turquia (Antalya + 13%) e no Egipto (Hurghada + 30%). O tráfego diminuiu no final do trimestre devido a um ressurgimento da pandemia, mas os horários de voo das companhias aéreas para os próximos meses ainda parecem encorajadores.   Na Suécia, o tráfego no Aeroporto Skavsta de Estocolmo mais do que duplicou em relação ao verão de 2020, especialmente devido à rápida procura de voos de e para a Polónia, para visitar amigos e familiares.   No Japão, o estado de emergência permaneceu em vigor durante o verão e a pandemia agravou-se, amortecendo o aumento do tráfego que tinha começado em agosto, quando a época de férias começou. A maior parte do tráfego era nacional, uma vez que as medidas de controlo de fronteiras do país continuam a restringir as viagens internacionais.   No Camboja, as restrições muito apertadas à entrada de passageiros no país permaneceram em vigor, impedindo o reinício do tráfego durante o trimestre.   Nos Estados Unidos, o número de passageiros no Aeroporto Internacional de Orlando Sanford está gradualmente a aproximar-se do nível de 2019. O tráfego em algumas rotas foi ainda mais elevado do que em 2019 (Asheville +22%, Allentown +7%, Cincinnati +5%). Como sinal desta recuperação, Swoop e Flair, duas companhias aéreas canadianas low cost, anunciaram planos para novos serviços entre o Canadá e Orlando este inverno.   Na Costa Rica, o tráfego voltou aos níveis de 2019 (+ 0,5%). O país, que atenuou ainda mais as restrições de viagens no início de agosto, está a assistir a um tráfego de passageiros dinâmico para e dos Estados Unidos, especialmente nos serviços para Nova Iorque (JFK, +40%), Los Angeles (+7%) e Miami (+2%). A American Airlines iniciará voos semanais para Chicago a 6 de novembro. O tráfego nos aeroportos da República Dominicana pairou acima dos níveis pré-pandémicos durante várias semanas. Os principais contribuintes foram os voos entre Santo Domingo e a costa oriental (Newark Liberty servindo Nova Iorque com +53%, Boston com +41%, Fort Lauderdale com +52% e Miami com +23%), e voos transatlânticos (Madrid com +22%). O apelo do destino entre os turistas norte-americanos levou várias companhias aéreas a começarem a prestar novos serviços - por exemplo, a Spirit Airlines, que começou a operar 4 voos diários entre Orlando e Santo Domingo em 8 julho.   O número de passageiros que viajaram através do Aeroporto Salvador Bahia, no Brasil, triplicou em comparação com o verão de 2020 e continua a subir em direção aos níveis de 2019. Algumas rotas atrairam mais passageiros do que em 2019, por exemplo as de e para São Paulo (Congonhas +4%, Viracopos +17%) e Rio (Santos Dumont, 6 vezes mais). Ilustrando esta dinâmica, a companhia aérea Azul começará a operar 3 novos serviços entre Salvador e Montes Claros, Porto Velho e São José do Rio Preto, a 17 de dezembro.   No Chile, o tráfego é 57% mais baixo do que no verão de 2019, mas cresceu 21 pontos percentuais em relação ao trimestre. À medida que a pandemia diminuiu, a maioria das regiões reabriu e o tráfego doméstico de e para Santiago foi retomado. O tráfego internacional continua a ser lento, pois as fronteiras continuam fechadas, mas poderá recuperar com a abertura do país a turistas estrangeiros em 1 de outubro, que é quando começa a época turística no hemisfério sul.  
  5. Por ocasião da segunda cimeira do ACI EUROPE sobre a sustentabilidade da aviação e como parte de um compromisso conjunto do sector aeroportuário, atualmente subscrito por 235 aeroportos europeus, os aeroportos geridos pela ANA, em linha com a atuação da VINCI Airports em toda a sua rede, reafirmaram o seu objetivo de atingir a neutralidade carbónica (net zero) até 2050, dando seguimento às suas ações de descarbonização.   A VINCI Airports, em 2015, foi o primeiro operador aeroportuário a comprometer-se com uma estratégia ambiental a nível mundial, submetendo 100% das suas infraestruturas ao programa voluntário Airport Carbon Accreditation (ACA) do Airports Council International, o único programa internacional de redução de emissões de gases com efeito de estufa específico para aeroportos. Com o objetivo ser um exemplo na redução das emissões de CO2 e também para contribuir para a redução das emissões do transporte aéreo, que representaram 2,8% das emissões globais em 2019, a VINCI Airports implementa assim soluções concretas e imediatas que limitam o impacte dos aeroportos e que já reduziram a pegada de carbono da rede em 22%, entre 2018 e 2020. O próximo objetivo é o de conseguir a neutralidade carbónica em todos os seus aeroportos até 2030, sendo este seguido da meta "zero emissões", dando continuidade às ações de descarbonização e da absorção das emissões residuais através de sumidouros de carbono florestais. Ao mesmo tempo, a ANA – Aeroportos de Portugal está empenhada em reduzir a sua pegada de carbono em 50% até 2030 e em atingir a neutralidade carbónica (net zero) em 2050, e todos os seus aeroportos estão acreditados, desde 2010, pelo programa ACA do ACI Europe.   O ACA é um programa global dedicado à gestão de carbono nos aeroportos, que avalia e reconhece os esforços de monitorização e redução das emissões de CO₂, através de 6 níveis de certificação: Mapeamento, Redução, Otimização, Neutralidade, Transformação e Transição. Atualmente, os aeroportos ANA encontram-se acreditados no nível 2 (redução).